categorias

Image Map

14 de abril de 2013

DEPRESSÃO PÓS-CASAMENTO, ELA EXISTE!

 Ele a pede em casamento, faz uma linda e romântica surpresa! Ela fica extremamente encantada e aceita seu pedido de casamento.
A fase mais gostosa começa... Planejar e organizar o casamento, quanto irão gastar, o local, número de convidados,  os docinhos e pratos que terão no casamento, decidir como será os convites, dia da noiva, o vestido de noiva, a escolha das damas e dos padrinhos,contratar um fotógrafo e profissionais para filmar o casamento, sonhar com o momento tão esperado a lua-de-mel.Ufa... É muita coisa para organizar, essa preparação costuma durar no mínimo, um ano.

Para as que já estão casadas sabe do que estou falando.

Ficamos extremamente empolgadas e ansiosas com os preparativos para o casamento, é um misto de alegria com ansiedade e angústia. Angústia por deixar a antiga vida, rotina e construir uma nova ao lado da pessoa amada.

 O grande e tão esperado dia chega, tudo acontece como o esperado, a cerimônia e a festa um sucesso. E então os pombinhos apaixonados partem rumo a tão sonhada lua-de-mel.

Eis que surge o problema! E depois de toda essa euforia, o que acontece? 
Algumas pessoas sentem um vazio imenso, uma tristeza inexplicável, um estresse intenso. O nome disso é  depressão pós- casamento.

Para os psicólogos, a depressão pós-casamento é um conjunto de sentimentos e sensações de vazio, angústia, melancolia, estranhamento e dificuldade de se adaptar e lidar com a realidade a partir do início da vida a dois.


Segundo a escritora americana Sheryl Paul, estudiosa dos sentimentos das noivas e autora do livro "The Consciousness Bride" (A noiva consciente) a venda somente nos países de língua inglesa. A maioria das recém-casadas sofre desse mal. 'Elas questionam se fizeram a escolha certa, o que é o amor, se ama realmente seus maridos, é neste momento que elas percebem  que tomaram uma decisão de enorme responsabilidade', diz Sheryl. 'Antes da festa, estavam ansiosas e enlouquecidas demais com os preparativos e não tinham tempo para pensar'. Se não encontram respostas, a tristeza pode evoluir para depressão. 'Nesses casos, elas se decepcionam com a vida a dois, o casamento ou com o marido. Sentem-se frustradas, confusas e dificilmente conseguem enxergar outra saída que não seja a separação.' Nos Estados Unidos, onde o fenômeno é chamado de post wedding blues, estima-se que 5% das recém-casadas apresentem um grau avançado de tristeza. Embora a depressão pós- casamento faça com que as mulheres se sintam encurraladas, não é um sinal de que a relação esta fadada ao fracasso. 'É um sentimento normal, resultado de uma época em que as mulheres podem questionar se a escolha de casar é certa', afirma Shery
(Fonte: Revista Marie Claire)



Por experiência própria, eu tive depressão pós-casamento, graças a Deus por pouco tempo. Na época fiquei muito envolvida com os preparativos do casamento, super animada e ansiosa. O dia do casamento chegou, foi um sucesso e assim  fomos para a lua-de-mel e já dentro do avião de volta a nova vida, me bateu aquela imensa tristeza. Começou a passar um filme na minha cabeça, me lembrava dos momentos que eu passei ao lado da minha família quando era solteira, da casa que não seria mais a minha. Minha vida mudou radicalmente, muitos se casam mas continuam ali na mesma cidade onde os pais moram, por mais que estejam em casas separadas, essas pessoas podem ver seus familiares com facilidade. O que não foi meu caso!

Nasci em cidade grande Belo Horizonte, acostumada a ter toda estrutura que uma cidade grande oferece, sempre fui extremamente apegada á família, principalmente  a minha mãe que é minha melhor amiga. Cresci no meio de primos, tias, tios e avós. E de repente fui para uma cidade do interior onde não tinha ninguém conhecido. Somente eu e meu esposo. Quando eu o namorava, já sabia que se viesse a casar com ele teria que me mudar de cidade. Ele trabalhava no interior e aos finais de semana ia para Belo Horizonte me ver e ver a família dele.

Meu esposo trabalhava o dia inteiro e só chegava a noite, e eu... Nas primeiras semanas só chorava, ligava para minha mãe aos prantos e desesperada. Não tinha familiares, amigos, emprego e faculdade, não sabia onde era a padaria. Ficava dentro de casa o dia inteiro sozinha. Sofri muito, achei que fosse pirar. Quando a gente ama, abre mão de muitas coisas para estar perto da pessoa. Na época eu larguei a minha faculdade de jornalismo em Belo Horizonte e meu emprego para ir morar em outra cidade e viver ao lado do meu amor. Como diz o velho ditado: "Quem casa quer casa".

Foram meses de muito sofrimento, eu tentava ser forte para meu marido... Mas só Deus sabia como eu estavame sentindo naquele momento. Minha mãe também sofreu muito, chegou a entrar em depressão. Foram meses difíceis, até que um belo dia eu ergui a cabeça e falei para mim mesma: Minha vida agora é aqui, e aqui vou ser feliz. 
Corri atrás do meu tempo perdido, na época entrei na Universidade Federal da cidade e dei continuidade ao meu curso, não pude trabalhar pois meu curso era integral, fiz novas amizades, fui para a academia, inglês e assim fui amadurecendo a aprendendo a viver longe das pessoas que eu amo .

Hoje quase formada em jornalismo, com um filho lindo de 8 meses que se chama Caleb. Adoro a cidade onde vivo atualmente, tudo é questão de tempo e adaptação. Eu superei essa fase ruim, tive um marido que me apoiou e muito. Se você está passando por isso tenha força pois, você vai superar e descobrir como é deliciosa a vida á dois,  casamento é uma benção, não é perfeito e nem um mar de rosas mas, é encantador duas pessoas de criações diferentes vivendo debaixo de um mesmo teto, respeitando as diferenças um do outro.

Acho muito importante o apoio, carinho e compreensão dos maridos neste momento delicado. Afinal não é nada fácil sair de uma rotina de solteira e depois ter a vida e responsabilidade de uma mulher casada.

Por isso maridos, cuidem bem de suas esposas!















4 comentários:

  1. Olá, minha mulher está passando por esse problema, temos 1 mês e meio de casado e não sei mais o que fazer. Tento sair sempre que possível para distrair ela, porém assim que chega em casa ela fica triste, até na casa da mae ela fica triste do nada. Espero que essa fase passe logo.

    ResponderExcluir
  2. Olá Lonn Matos tudo bem com você?

    Então você está fazendo a sua parte, sendo atencioso e compreensivo com a sua esposa. Agora o que te aconselho é conversar com ela, e sugerir que ela procure um psicologo e faça uma terapia. Terapia ajuda e muito. Espero que ela melhore logo. Abs

    ResponderExcluir
  3. Olá. Me identifiquem muito com sua estória, estou vivendo algo semelhante. Casei há três meses e mudei para uma cidade do interior, não conheço quase ninguém só os familiares do meu marido, estou longe de meus familiares e amigos. Há pouco tempo também não sabia onde ficava a padaria. Rs. Mas descobri aos poucos. Deixei meu curso profissionalizante de fotografia e Jornalismo e até agora não tenho emprego aqui. Choro quase todas as noites com saudades da minha mãe e é muito difícil eu falar com ela pois aqui não pega sinal de celular. Tem sido muito difícil esse tempo aqui, às vezes paro e pensões fiz a coisa certa. Amo meu marido e isso me faz achar que fiz a coisa certa. Que Deus me ajude a vencer essa fase. Obrigado por compartilhar sua história me identifiquei muito. Até.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Jéssyca tudo joia flor? Então linda fico muito feliz por você compartilhar sua história comigo, e espero ter te ajudado de alguma forma. Realmente início de casamento já não é fácil, ainda mais morando em outra cidade e longe da família. Eu sofri demais e durante 7 anos. Esse ano voltei para a minha cidade natal graças a Deus. Sabe flor se apega em Deus que ele vai te ajudar. Aos poucos você vai se acostumando com o lugar, faça novas amizades, procure algo para fazer volte para a faculdade, faça algum curso. Pq se você ficar dentro de casa é pior, você pode entrar em depressão.E sobre se você fez a escolha certa, te digo com certeza que você fez sim flor, é aquela famosa frase quem casa quer casa, e ao casar sabemos que teremos que fazer alguns sacrifícios e alguns deles é ter que morar em outra cidade para acompanhar o marido. E você disse o mais importante, você ama seu marido e isso importa demais, e vale a pena. Deus é contigo e vai te ajudar. Bjs querida.

      Excluir

Página Anterior Próxima Página Home